slide1 slide2

Ebola: não é apenas um problema de saúde

 O testemunho de um médico italiano, trabalhando há anos em Serra Leoa

Por Luca Marcolivio

 

ROMA, 24 de Outubro de 2014 (Zenit.org) - A trágica realidade do Ebola não é apenas uma emergência sanitária, mas, em primeiro lugar, humana e antropológica. Para vencê-la é necessário ajudar as populações atingidas a superar o medo do contato humano e do contágio. Será de grande utilidade as campanhas de prevenção, especialmente se feitas entre as crianças.

A delicadíssima questão foi abordada na entrevista concedida a Zenit, pelo Dr. Roberto Ravera, responsável pela estrutura complexa de psicologia no ASL 1 de Imperia e presidente da FHM Itália Onlus, com sede em Sanremo, através da qual se envolveu com o padre saveriano Bepi Berton (1932-2013) em um projeto de assistência sanitária em Serra Leoa.

ZENIT: Dr. Ravera, como nasceu a sua experiência em Serra Leoa?

Dr. Ravera: Há décadas atrás comecei a cuidar de crianças -soldados: eram centenas e centenas e precisavam de alguma ajuda. Desde então nasceram vários projetos: construímos uma comunidade de acolhida e aberto várias clínicas médicas nos centros mais pobres, tanto em algumas aldeias quanto na capital Freetown. Em seguida, nos responsabilizamos das cárceres infantís. Temos cerca de 25 operadores entre médicos, enfermeiros, assistentes sociais, educadores e professores, e realizamos um projeto que, basicamente é um projeto de saúde mental, portanto que, em primeiro lugar busca o bem-estar psicológico das crianças, no entanto, devemos fazê-lo em um país onde há uma grande desconfiança cultural contra o médico ou o psicólogo. Todo este programa, que dura há algum tempo, recentemente se encontrou com a tragédia do Ebola. Tivemos que fechar as clínicas e adaptar-nos a uma situação de emergência gravíssima que existe no país e a nossa equipe se transformou em um projeto de prevenção do Ebola.

ZENIT: Que consequências concretas a epidemia do Ebola trouxe a Serra Leoa?

Dr. Ravera: Há alguns meses atrás indiquei para o Ministério da Saúde de Serra Leoa a emergência do que estava para acontecer e que foi levado a sério. Gostaria, no entanto, que não se esquecesse uma coisa: Serra Leoa é um país que não tem um serviço sanitário à altura, na verdade, seria um serviço de saúde quase inexistente, se não fosse a intervenção da cooperação internacional. Sendo já gravemente deficitário em condições normais, imaginemos em uma situação grave como aquela do Ebola, com a qual morream vários operadores sanitários devido à falta de proteção adequada. Acrescente-se a isso que uma cidade de 2 milhões de habitantes como Freetown não tem serviços higiênicos, nem esgotos, nem água corrente nas casas. Gostaria também de recordar que hoje se morre de Ebola, mas se continua também a morrer, e em medida muito maior, de parto, de malária ou de tifoide, justamente porque as pessoas não vão aos hospitais. Existe, é verdade, especialmente nas aldeias, uma cultura que faz com que as pessoas, não tendo referência sanitária, se dirijam aos xamãs e feiticeiros: ter que pagar qualquer serviço de saúde é difícil para pessoas que ganham um euro por dia. O problema, portanto, é de uma gravidade sem precedentes e no momento atual é difícil encontrar uma solução para tudo isso.

ZENIT: Em Serra Leoa e nos países vizinhos, portanto, o Ebola não é puramente uma emergência sanitária?

Dr. Ravera: Não, na verdade, do ponto de vista antropológico, há uma mudança nas pessoas que vivem nas mesmas condições em que viveram durante a guerra, mas, pelo menos havia uma sociabilidade, o inimigo era visível, as áreas que deveriam ser evitadas eram claras. Hoje aquele inimigo não existe mais, as pessoas aprenderam a não tocar-se, há uma transformação, uma ansiedade generalizada assustadora que afeta principalmente as crianças. As escolas estão fechadas há meses, as crianças da nossa comunidade já vivem fechadas dentre das mulharas do nosso centro, brincam entre si, não saem mais. Como é possível que centenas de milhares de crianças tenham que viver um pesadelo como este? Gostaria também de saber como é que o Ocidente não considera - antes mesmo de se preocupar que o vírus possa se espalhar na Europa - o fato de que o problema fundamental é que agora existe uma situação em que se perdeu o controle.

A minha preocupação são as transformações mentais em uma população que já foi provada por 12 anos de guerra e agora está vivendo esse pesadelo com a sensação de ser abandonada. Também, muitos operadores ocidentais, que antes eram responsáveis pela assistência, tiveram que ir embora. Este sentimento de solidão, de ser abandonados é comum e é muito forte.

Um grande problema será o pós-Ebola e não me refiro apenas às pessoas que terão perdido seus entes queridos, mas também a reconstrução da alma das pessoas que, depois de ter vivido 12 anos de guerra, depois dez anos de paz, com a reconstrução das esperanças, viram perder tudo. A economia da Sierra Leone entrou em colapso, as pessoas vêem o aumento dos preços das necessidades básicas, ninguém trabalha mais, é como se um mundo tivesse cristalizado e paralisado. Mas a vida das pessoas não se cristaliza e não se paralisa, as pessoas devem respirar, devem tocar-se, devem viver. É por isso que eu acredito que o que aconteceu na África ocidental, do ponto de vista antropológico, é uma experiência única no seu género.

ZENIT: Na sua opinião, quais são os melhores métodos de prevenção?

Dr. Ravera: Trabalhamos na prevenção, indo às aldeias e explicando o problema em particular as crianças, que são mais receptivas e 'plásticas' do que os adultos e conseguem de alguma forma corrigir e adquirir determinados comportamentos, como lavar as mãos frequentemente, não comer carne, ir ao médico se sentirem sintomas suspeitos. Esse nosso programa tem sido bem sucedido e o Ministério pediu-nos para colaborar em outros bairros de Serra Leoa, no entanto, não temos os meios para fazê-lo.

ZENIT: O risco de propagação de um surto de Ebola na Europa é real?

Dr. Ravera: Ninguém quer subestimar o risco e o perigo ligado a esta doença, mas na Europa existe um serviço sanitário que é, de todas formas, capaz de lidar com a situação. É claro que há riscos, especialmente em uma eventual fase inicial. Não esqueçamos que vivemos em condições higiênico-sanitárias muito melhores do que aquelas de Serra Leoa. Portanto, pensar que aqui possa haver uma pandemia daquele tipo é bem difícil. Além disso, em um país não distante como a Nigéria, os casos de Ebola foram limitados, porque aquele país tem um sistema sanitário e de protecção muito melhor do que o de Sierra Leone. Com muito maior razão isso aconteceria aqui na Europa.