slide1 slide2

Papa Francisco: a missão é a tarefa da Ação Católica

2017-04-27 Rádio Vaticana - Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta quinta-feira (27/04), na Sala do Sínodo, no Vaticano, trezentos participantes do II Congresso do Fórum Internacional da Ação Católica (Fiac). O tema do congresso é “Ação Católica em missão com todos e por todos”. 

 

 “Historicamente, a Ação Católica teve a missão de formar leigos que assumiram a própria responsabilidade no mundo. Hoje, concretamente, trata-se da formação de discípulos missionários. “Obrigado, por assumirem com decisão a Evangelii gaudium como carta magna”, disse ele o Pontífice. 

“O carisma da Ação Católica é o carisma da própria Igreja encarnada profundamente no hoje e no aqui de cada Igreja diocesana que discerne em contemplação e com olhar atento a vida de seu povo e procura novos caminhos de evangelização e missão a partir das várias realidades paroquiais.”

“A missão não é uma tarefa entre as várias da Ação Católica. É a tarefa. A Ação Católica tem o carisma de levar adiante a pastoral da Igreja. Se a missão não for a sua força distintiva, se distorce a essência da Ação Católica, e se perde a sua razão de ser”, frisou Francisco.

“Todos os membros da Ação Católica são dinamicamente missionários. Aprende-se a evangelizar evangelizando. É vital renovar e atualizar o compromisso da Ação Católica com a evangelização, alcançando todas as periferias existenciais, repensando os planos de formação, formas de apostolado e oração a fim de que sejam essencialmente e não ocasionalmente missionários”. 

“Abandonar o velho critério: porque sempre se fez assim, e assumir a totalidade da missão da Igreja na pertença generosa à Igreja diocesana, partindo da paróquia”. 

O Papa insistiu na concretude: “A Ação Católica deve assumir como própria a pastoral de cada Igreja diocesana na sua inserção concreta nas paróquias. Vocês devem se encarnar concretamente. O critério é a concretude. Quando rezamos o Credo, professamos algo muito concreto. Se a fé não for concreta não é católica. O católico é sempre concreto.” 

O Papa destacou ainda a necessidade de que a Ação Católica esteja presente no mundo político, empresarial e profissional. Disse também que é “essencial que a Ação Católica esteja presente nos cárceres, nos hospitais, nas estradas, nas favelas e fábricas”. 

“Se não for assim, será uma instituição de exclusivistas que não diz nada a ninguém, e nem mesmo para a própria Igreja. Quero uma Ação Católica entre as pessoas, na paróquia, na diocese, no país, no bairro, na família, no estudo e no trabalho, no campo, nos ambientes próprios da vida”. 

“Que a Ação Católica ofereça um espaço de acolhimento e experiência cristã a todos que, por motivos pessoais, se sentem cristãos de segunda categoria”. 

“Vocês se propuseram uma Ação Católica em saída, e isso é bom. Em saída significa abertura, generosidade, encontro com a realidade além das quatro paredes da instituição e das paróquias.” 

(MJ)

(from Vatican Radio)