slide1 slide2

Igreja: Preocupação com a família toca todas as religiões e culturas

Padre Rui Pedro, do Patriarcado de Lisboa, recorda participação no Encontro Mundial das Famílias, em Filadélfia

 

Lisboa, 08 out 2015 (Ecclesia) – O coordenador da Pastoral Familiar, do Patriarcado de Lisboa, destacou a necessidade de “sublinhar a beleza da família” a partir da insistência do Papa num discurso positivo sobre esta célula da sociedade e Igreja doméstica.

“Olhar para o que vai acontecendo de bom e aproveitar muito o que são os espaços familiares para a transmissão da fé. É assim que as pessoas se sentem reconhecidas, valorizadas, acolhidas, se criam laços para depois avançar cada vez mais para que o Evangelho entre nas famílias”, revela o padre Rui Pedro.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, após ter marcado presença no 8.º Encontro Mundial das Famílias (EMF), em Filadélfia, o responsável recordou o incentivo do Papa a uma abertura a todos os que trabalham em favor da família, independentemente de credos, raças, culturas, o sacerdote reconhece a necessidade de “valorizar e trabalhar em conjunto” este denominador comum a todas as raças e religiões.

“A família, sendo a célula base da sociedade, toca todas as religiões, culturas”, acrescenta.

O coordenador da Pastoral Familiar do Patriarcado de Lisboa considera que o EMF sublinhou o caminho que a Igreja está a fazer em três pontos.

“A família como agente de evangelização, a valorização do matrimónio, a importância da preparação para o matrimónio, e a arte do acompanhar as situações de fragilidade e difíceis das famílias em que tem de haver uma outra atitude pastoral de misericórdia”, exemplificou.

O sacerdote alertou para as situações em “muitas vezes” parece que a paróquia vai separando as famílias, com os seus membros em diversas atividades/grupos/movimentos e “o testemunho de casal é fundamental para a evangelização”.

Para o entrevistado ficam “muitas boas memórias” do EMF, um encontro “marcante” onde os 11 participantes portugueses experimentaram a “universalidade da Igreja”, nas famílias ali reunidas.

PR/CB