slide1 slide2

 

DIA DOS AVÓS – 26 de julho de 2017

Mensagem da Comissão Episcopal do Laicado e Família

 

Continuar...

Jornadas da pastoral famíliar

No âmbito da Comissão Episcopal do Laicado e Família (CELF) está a Pastoral Familiar. Para a implementação das decisões tomadas e a realização das iniciativas próprias desta área existe o Departamento Nacional da Pastoral Familiar.

Formado por um grupo de pessoas com experiência de trabalho nas questões da Família, o Departamento organiza anualmente as Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar e a Semana da Vida.

Promove ainda um Encontro Nacional anual com os serviços diocesanos da Pastoral Familiar e os coordenadores nacionais dos Movimentos ligados à área da Família.

O Departamento Nacional da Pastoral Familiar é actualmente coordenado pelo casal Celina Maria Mesquita da Silva Marques e Manuel da Conceição Marques,

A alegria do amor e os desafios à Pastoral Familiar

Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar

Fátima – 23 de outubro de 2016

11h00: Partilha Vivencial

 

Começo esta minha conversa convosco, por uma pequena história. É a história do diálogo entre um pároco ancião e o jovem sacerdote, filho da sua comunidade: “Padre Fernando, o que é que a gente pode fazer pelas famílias da nossa Paróquia”? O Padre Fernando, na sua irreverência juvenil, responde: “Padre Jorge: Acho que quase nada. As famílias que façam”!

 

Da Pastoral para (sobre) a Família à Pastoral (da) com a Família

 

1. Esta é a primeira dificuldade da pastoral familiar, que tomo como desafio. Passar de uma pastoral sobre a família ou para a família a uma pastoral em família, com a família, da família, de modo que as famílias se tornem sujeitos ativos da pastoral familiar (cf. AL 200; 287). E são-no, desde logo, pela própria vida familiar, onde se afirma e cresce a família como Igreja doméstica. E são-no, pelo testemunho de santidade quotidiana, vivendo de modo extraordinário as coisas ordinárias. E são-no pela relação de ajuda a outras famílias. E são-no pela colaboração em grupos, associações, movimentos, eclesiais ou sociais ou culturais, que promovam a vida e a família. E convinha mesmo, que começassem a sua “pastoral familiar” em casa, dando este contributo insubstituível, de viver a alegria do amor e assim fazer crescer a família, como primeira célula da Igreja e primeira escola de vida social. Não me apraz nada ver gente que faz da Igreja a sua primeira casa, mas não faz da sua casa a primeira Igreja!

 

Custa-nos, portanto, ultrapassar esta perspetiva paternalista da pastoral familiar, em que a Igreja toma as famílias como alvo da sua solicitude pastoral e não como protagonistas e “sujeitos cada vez mais ativos da pastoral familiar” (AL 200; cf. 287). Colocar as famílias no coração da pastoral familiar é um desafio não fácil. Não é fácil, porque elas próprias se encontram numa encruzilhada de tarefas, horários, problemas, fraturas e feridas, em que sobra pouco espaço e tempo para desenvolver o espírito familiar em casa, qualificar o seu compromisso pastoral na comunidade e valorizar o seu empenho social. E depois, não é fácil envolver as famílias, porque, como refere ironicamente o Papa, “diz-se, muitas vezes, que a hora dos leigos chegou, mas parece que o relógio parou” (Carta ao Cardeal Marc Ouellet, Presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina, 19.03.2016). Ainda não nos decidimos seriamente a acreditar e a potenciar a capacidade evangelizadora dos leigos, no seu faro pastoral, na sua insubstituível missão, dentro e fora de portas, na Igreja e no mundo. Precisamos de acreditar na força profética do testemunho das famílias, em que todos, crianças e adultos, são capazes de profetizar e até os anciãos são capazes de sonhar (cf. At.2,17; cf. Joel 3,1-5). Achamos muitas vezes, que “se for o senhor padre a fazê-lo é outra coisa”. E sê-lo-á, mas para pior. Não basta, por isso, cuidar das famílias, é preciso envolver as famílias no cuidado pastoral das famílias. Depois do “primeirear” (tomar a iniciativa), “envolver” é o segundo verbo, que carateriza uma «Igreja em saída» (EG 24).

 

Da programação de iniciativas à dimensão familiar da pastoral

 

2.  Uma segunda dificuldade, enquanto Pastor, é saber bem o que será isto da «pastoral familiar». Tratar-se-á de uma pastoral avulsa, disseminada num conjunto de atividades, a marcar o dia do pai, o dia da mãe, o dia dos avós, o dia das crianças, as bodas de prata e de ouro, a que se juntam a preparação para o batismo e o matrimónio? Ou trata-se, de desenvolver, em primeiro lugar, uma pastoral «familiar», tomando aqui esta palavra como expressão de uma comunidade que se edifica à imagem de uma “família de famílias” (AL 87)?! Não deve ser “familiar”, por sua natureza, toda a pastoral? Não é, aliás, a família, o modelo à luz do qual devem desenvolver-se todas as formas de vida em comum, de associação e de vida eclesial, coletiva ou social? Sabemos, do cristianismo nascente, quanto São Paulo, por exemplo, se inspirou na “família”, na autoridade paterna, no cuidado materno, na relação fraterna e filial, no exemplo do governo da «casa», como arquétipo para a edificação das comunidades cristãs e para a escolha dos seus responsáveis. E aqui a Igreja aparece realmente como “família de Deus”, tanto mais quanto as famílias cristãs se constituem como pequenas igrejas domésticas (cf. Rom.16,23; Col.4,15; Filem 2).

 

Há, de facto, um espírito familiar, na pastoral, quando se cuida do acolhimento, sobretudo dos mais frágeis e vulneráveis, quando se desenvolve a proximidade com todos, quando se geram laços de fraternidade e de caridade entre os fiéis, quando se acompanham as pessoas, nos seus momentos e nos eixos existenciais das suas vidas, quando se atende aos percursos pessoais e às etapas de crise e de crescimento de cada um... quando a Igreja se revela então uma “Mãe de coração aberto” (EG 46;47), capaz de acolher e gerar a vida, capaz de alimentar, de perdoar, de curar as feridas e de festejar cada passo, cada etapa (AL 163), da vida e da alegria do amor em família.

 

Fazer crescer a Paróquia, como uma “família de famílias”, como “casa e escola de comunhão” (São João Paulo II, N.M.I.43), em que todos se sintam “como em sua casa” (EG 199), a começar pelos mais pobres e frágeis, é talvez o desafio, que fica a montante de todas as outras atividades, que são levadas a cabo pela Pastoral Familiar.

 

Talvez a Pastoral Familiar não deva ser “uma agenda de iniciativas e programações pastorais”, “para as famílias”, mas a criação de um clima familiar, na vida das comunidades, em que as famílias se geram e regeneram na fé, em que crescem e frutificam no amor, num processo de geração de vida nova, em que elas mesmas se sentem protagonistas da solicitude da Igreja, por todos, e por cada um, desde o nascimento à morte (cf. J. J. Pérez-Soba). Muitas vezes sinto que a Pastoral familiar está dispersa num conjunto de iniciativas, sem horizontes, apostada em resolver problemas, em vez de os antecipar; e isto já, para não falar, por exemplo, numa certa pastoral da juventude, centrada na ocupação de tempos livres e não na tarefa de ajudar os jovens a construir um projeto de vida.

 

Do mau momento da preparação para os sacramentos a uma oportunidade para o evangelho

 

3. A terceira dificuldade, que tomo como desafio, é a de fazer da preparação para os sacramentos, sobretudo para o batismo e matrimónio, um “momento missionário” (Bento XVI), uma oportunidade para o anúncio do evangelho (cf. P. Bacq - C.Theobald) e não, na ótica de quem os pede, “um mau momento por que tenho de passar”, ou “o preço que tenho de pagar para ter direito aos sacramentos”.

 

É preciso olhar, para quem nos bate à porta, a pedir um sacramento, não como um “problema pastoral”, ou mais uma “chatice” a enfrentar, mas como uma bênção a acolher, uma nova oportunidade para o anúncio do evangelho.

 

Corre-se, aliás, o risco de uma certa instrumentalização dos fiéis e dos sacramentos, quando se apresenta, como condição sine qua non, a realização de um “curso de preparação” para ser padrinho, para ser crismado, para casar… quando na verdade, não é disso que se trata, porque não há «curso» para ser marido e esposa, pai ou mãe, padrinho ou madrinha, ou mesmo para ser padre. E infelizmente nos nossos cartórios paroquiais, não faltam padres, diáconos e secretários paroquiais afetados pelo “vício administrativo”. Em vez de escutar e “tirar as medidas” para oferecer um “fato à medida”, prefere-se impor o “fato pronto-a-vestir”, que afinal fica curto nas mangas. Em vez de acolher, com alegria, estamos a exigir, sem piedade. Em vez de propor um percurso, estamos a impor um curso. Em vez de escutar a história de cada um, onde se vislumbram tantos sinais de Deus, temos a nossa narrativa depressa a debitar. Em vez de dialogarmos, de igual para igual, temos a tentação de falar “de cima da burra”, com a autoridade do nosso lugar, deixando os outros sem resposta.

 

Temos, pois, de agradecer aos não praticantes, aos distantes, aos dispersos, quando nos batem à porta, mesmo sem saber bem todo o alcance do que nos estão a pedir. Porque são então as ditas «periferias» a entrar-nos pela casa dentro, quando, em bom rigor, devíamos ter sido nós a sair ao seu encontro. Fala-se hoje muito de sair ao encontro das “periferias”, de ir às casas das pessoas, de lhes falar ao coração, mas esquecemo-nos de acolher misericordiosamente as pessoas (Diocese do Porto, Plano Diocesano de Pastoral 2015-2020, Porto, p.31), que nos procuram e batem à porta e enfrentam a máquina burocrática ou a alfândega da paróquia, onde se fala tantas vezes um calão eclesiástico, que eles tampouco poderão compreender. Ora “a Igreja não é uma alfândega; é a casa paterna, onde há lugar para todos com a sua vida fatigante” (EG 47).

 

Isto exige, de todos, uma conversão pastoral, porque não basta protestar e dizer que as pessoas fazem da paróquia uma estação de serviço enquanto nós, tantas vezes, organizamos e construímos uma Igreja, segundo o modelo dos serviços públicos, com horários rígidos e taxas fixas.

 

Confesso-vos que eu próprio, desde o início do meu ministério paroquial, tive de me converter, para não cair no enfado ou apresentar-me, com cara de vinagre, quando me chamavam para atender alguém que não está nas “condições” exigidas para batizar ou casar ou ser padrinho. E, em vez de ficar ansioso e nervoso, com as situações mais difíceis, aprendi, pouco a pouco, a alegrar-me com cada pessoa, com cada família, com cada bebé, porque a “ovelha” voltou ao redil e temos uma boa oportunidade de conversar. E, deste modo, o incómodo das situações ditas “irregulares” transformaram-se, para mim, em “oportunidades” de diálogo e de anúncio, de proposta e de aprofundamento das motivações, de conhecimento e de acompanhamento, com toda a paciência e misericórdia. Na verdade, a Paróquia é chamada “a ser «a própria Igreja que vive no meio das casas dos seus filhos e das suas filhas». Isto supõe que esteja realmente em contacto com as famílias e com a vida do povo, e não se torne uma estrutura complicada, separada das pessoas, nem um grupo de eleitos que olham para si mesmos” (EG 28).

 

Neste âmbito da preparação para o matrimónio (e fico-me por aqui porque é por aqui que mais tenho andado), julgo necessário fazer, pelo menos, duas passagens:

3.1. Passar dos cursos gerais e racionaisaos percursos pessoais, remotos e diferenciados:

 

A preparação dos sacramentos tem de aparecer como uma espécie de iniciação ao sacramento do matrimónio (AL 207), ou de reiniciação à vida comunitária e ao sentido cristão da vida, de modo a não afastar os jovens do sacramento (AL 207) e a ajudar os casais, por exemplo, a ver a diferença entre a nossa proposta cristã e o rito social de integração que pretendiam simplesmente. Neste sentido, é preciso acompanhar a pastoral do acolhimento com uma pastoral da proposta cristã.

 

Este esforço é tanto mais necessário, quanto, muitas vezes, os sacramentos são procurados mais como “ritos” de integração na cultura e na tradição familiares do que integração na vida eclesial. É preciso, por isso “guiar” os noivos (AL 205-211), diz o Papa, em direção ao sacramento, valorizar o que já têm - e são muitas as sementes do verbo, na vida dos casais em situações imperfeitas (AL 76-79) e é tão belo ajudar a desvelar a presença oculta da graça na vida das pessoas – e propor o que lhes falta ainda. “Guiar” implica, por isso, iniciação, mistagogia, companhia, acompanhamento, experiência e discernimento, integração progressiva, no respeito pelas etapas de cada um… E não pensar que é preciso uma licenciatura básica de teologia… para conceder um sacramento…

 

Creio que as nossas propostas de preparação para o Matrimónio, por exemplo, têm de ser revistas, quer quanto aos conteúdos, quer quanto às metodologias, para se ajustarem às reais necessidades e contextos da vida das pessoas. Teremos de renunciar à “massificação” das propostas para os “grandes grupos” e sermos mais ousados e criativos, em respostas mais personalizadas, de modo a não excluir ninguém, simplesmente porque não temos dia, nem horário, para que possam fazer o seu próprio caminho.

 

3.2. Passar da psicologia à pedagogia, do receituário psicológico a uma verdadeira pedagogia do amor. Não caiamos no ridículo de querer «ensinar o padre nosso ao vigário», fazendo da preparação para o matrimónio, por exemplo, um cocktail de receitas psicologizantes, ou de idealismos impraticáveis (cf. AL 135). É preciso sobretudo desenvolver, com os noivos, e mesmo antes, com os adolescentes e jovens, uma pedagogia do amor, que os oriente para o matrimónio, e um caminho de descoberta da beleza, da alegria e das exigências do amor, sempre chamado a crescer. Penso que o Papa Francisco, na sua Exortação Amoris Laetitia, procura sobretudo incentivar-nos a isto: a cuidar da beleza e a fortalecer a alegria do amor em família, sabendo que este amor dá os seus passos, conhece as suas crises (cf. AL 231-232) e desilusões (cf. AL 320) e passa necessariamente por um caminho de renúncias e adaptações, não fáceis para ninguém, mas que, uma vez assumidas e vencidas, tornarão possível “um amor reforçado, transfigurado, amadurecido, iluminado” (AL 238).

 

Para esta pedagogia do amor o exemplo e apoio dos casais e das famílias é fulcral. E, na busca desta luz, para iluminar as situações, a missão da Igreja é comparável à de um farol, que projeta ao longe a esperança, ou de uma tocha, que ilumina e acompanha de perto e no concreto (cf. AL 291). Para isso, é muito mais inspirador o evangelho que qualquer psicologia ou filosofia oriental. Iluminar, na luz da Palavra de Deus, o sentido do amor, do casamento, da dor, do sofrimento, é muito necessário e nem sempre o fazemos. Devíamos ter como propósito primeiro não tanto “dar conselhos”, mas anunciar, em primeiro lugar, a Boa Nova do matrimónio e da família (AL 1; 58; 200-204). Diria que há que fazer “da alegria do evangelho do matrimónio e da família a nossa missão”.

 

Resumindo, menos cursos e mais percursos, menos burocracia e mais mistagogia, menos psicologia e mais pedagogia, menos moralização e mais evangelização... na preparação para o matrimónio!

 

4. Haveria aqui ainda lugar, para falar da dificuldade em fidelizar os casais e os pais, as famílias em geral, na vida comunitária, na catequese e na prática sacramental, para fazer frente a uma fé a la carte, a uma prática subjetiva e intermitente e a uma relação sentimental ou epidérmica com Cristo e a Igreja.

 

Há um desfasamento entre a riqueza que temos e queremos oferecer e os ritmos e interesses das pessoas, que nos procuram. Há muito desencanto e desilusão numa sementeira, quantas vezes, generosa, mas com poucos frutos, pelo menos, na nossa estação. O acompanhamento das pessoas, os caminhos de aprofundamento e de empenhamento na fé não são fáceis. Penso que não é só por efeito cultural. Sou levado a pensar que há mesmo um desajustamento entre a oferta e a procura, que nos deveria fazer pôr em questão. Também eu “sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação” (EG 27).

 

Que o Espírito Santo nos dê a coragem de, ao menos, começar… pela família, precisamente, que é de todos e para todos o nosso primeiro lugar!

Bibliografia:

 

ALPHONSE BORRAS E GILLES ROUTHIER, A nova Paróquia, Ed. Gráfica de Coimbra 2, Coimbra 2010

AMARO GONÇALO, Um convite a Paulo. Fica em minha casa, Ed. Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar, Porto, 2008

ANTÓNIO SÉRGIO TORRES, Pastoral familiar: levantar-se em cada manhã com as famílias, in Theologica, 2ª série, 41, 1 (2006), 97-118

BENTO XVI, Discurso durante o encontro com os sacerdotes da diocese de Albano (ITÁLIA), 31-08-2006

CEI, Direttorio di pastorale familiare per la Chiesa in Italia, 25-07-1993

CONFERENCIA EPISCOPAL ESPANHOLA (CEE), Directorio de la pastoral familiar de la Iglesia en España (DPF), Madrid, 2003

CONFERÊNCIA EPISCOPAL PORTUGUESA (CEP), Carta Pastoral “A Família, esperança da Igreja e do mundo”, Fátima, 31 de maio de 2004

DIOCESE DO PORTO,Plano Diocesano de Pastoral, para o quinquénio 2015/2020, Porto, 2015

DIOCESE DO PORTO,Plano Diocesano de Pastoral 2016-2017, Porto, 2016

ENZO BIANCHI E RENATO CORTI, A Paróquia, Edições, Prior Velho 2006

JUAN JOSÉ PÉREZ-SOBA, La pastoral familiar. Entre programaciones pastorales y generación de una vida, Ed. BAC Popular, Madrid 2014

PAPA FRANCISCO, A alegria do amor. Exortação Apostólica Amoris Laetitiae, Ed. Paulinas – Secretaria Geral do Episcopado, Prior Velho, 2016

PAPA FRANCISCO, A alegria do evangelho. Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, Ed. Paulinas-Secretaria Geral do Episcopado, 2013

PAPA FRANCISCO, Bula «Misericordiae vultus» (O rosto da misericórdia), na proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, 11.04.2015

PHILIPPE BACQ-CHRISTOPH THEOBALD, Uma nova oportunidade do evangelho, Ed. Paulinas, Prior Velho 2013

São João Paulo II, Carta Apostólica «Novo Millennio ineunte» (No início do novo milénio), no termo do Grande Jubileu do Ano 2000, 06.01.2001

SÃO JOÃO PAULO II, Exortação Apostólica “Familiaris Consortio” (22.11.1981), Ed. A.O. 1982

WALTER KASPER, O evangelho da família, Ed. Paulinas, Prior Velho, 2014